quarta-feira, julho 16, 2014

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NOVOS E ANTIGOS SABERES

Sabemos que o grande fascínio do conhecimento é poder buscá-lo incessantemente, e cada momento de nossas vidas fazemos releituras daquilo que julgamos já possuidores do saber, no entanto, cada releitura possibilita um olhar e um entendimento diferente, ora contrário do que foi nosso primeiro olhar ora mais maduro e profundo dando-nos a propriedade de expressá-lo sem a superficialidade sentida anteriormente. Essa pequena parte introdutória tem o caráter de afirmar e justificar que os temas ligados a Educação Ambiental (EA) não passam de grandes releituras e atualizações do que historicamente já fora analisado e debatido, o que nos possibilita ter uma gama de informações concisas e coerentes sobre a problemática ambiental.

sexta-feira, abril 27, 2012

28 de abril, Dia Nacional do Bioma Caatinga

Caatinga - em Tupi significa Mata Branca - Bioma tipicamente brasileiro. Espécies endêmicas. Patrimônio biológico da Humanidade. Biodiversidade. Fertilidade. Forte pressão econômica. Conflitos socioambientais. Umbu. Angico. Jurema. Aroeira do sertão. Abelhas nativas. Veado. Capivara. Sertanejo. Boiadeiro. Vaqueiro. Mulheres de guerra. Bode. Rio São Francisco. Rio de Contas. Vale do Jequiriçá. Baraúna. Cactos. Mandacaru. Juazeiro. Ariano Suassuna. Asa Branca. Luiz Gonzaga. Lampião. Maria Bonita. Morros. Brongos. Zabumba. Espécies Xerófitas. Brejos. Monoculturas. Pecuária Extensiva. Só quem veio da caatinga e/ou mora lá sabe o quanto é forte a identidade de caatingueiro.

sábado, março 31, 2012

2012 Ano Internacional das Cooperativas

O Ano Internacional das Cooperativas é fruto da estreita relação entre a Aliança Cooperativa Internacional (ACI) e a Organização das Nações Unida (ONU), que têm como objetivo comum buscar o desenvolvimento econômico sustentado, a mitigação da pobreza e a intercooperação. Dessa aproximação, resultou, em 2009, a Resolução A/RES/64/136, que institui o ano comemorativo.

O slogan escolhido para nortear as ações de 2012 foi “Cooperativas constroem um mundo melhor”. A temática reflete não apenas o espírito cooperativista, mas também o compromisso do segmento com o desenvolvimento global. Com isso, a ONU sugere ações ligadas ao empoderamento feminino, à inclusão de jovens e no mercado de trabalho e ao empreendedorismo, que mostram o cooperativismo como instrumento para geração de renda e, consequente, redução da pobreza.
Fonte: http://www.ano2012.coop.br/

quinta-feira, novembro 10, 2011

Oficina de Educação Ambiental: Construção Coletiva da Biblioteca Comunitária


No dia 04 de novembro de 2011, foi realizada uma oficina de construção coletiva da I Biblioteca Comunitária de Dois Riachos e Maracangalha, ambas as comunidades situadas no município de Catu-BA. A atividade contou com a participação dos membros das comunidades e da equipe do Projeto Conviver, facilitada pela Mobilizadora Social, Iala Queiroz. O presente encontro teve como objetivo dialogar sobre a importância e a vontade de ter uma biblioteca comunitária que contemplasse as comunidades. Essa iniciativa corrobora com o programa do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) – Arca das Letras uma das ações do Programa de Agriculta Familiar – Pronaf. Portanto, o Programa Arca das Letras tem como objetivo possibilitar o acesso a leitura na zona rural, e ele é voltado para agricultores familiares, assentados, quilombolas, pescadores, comunidades de fundo de pasto, etc. Unir o projeto da biblioteca comunitária junto com o programa Arca das Letras fortalecerá ainda mais a vontade de ter esse espaço de leitura, aprendizado e lazer. Foi interessante e muito bom ver a empolgação das mulheres no momento da conversa, e a partir dessa ideias muitas outras foram surgindo, como por exemplo, transformar a biblioteca num espaço para atividades de leituras, narração de histórias, poesias, documentários, filmes e a criação de uma sala verde que integra atividades de educação ambiental. “Ter uma biblioteca na comunidade vai ser muito bom porque iremos fazer pesquisas da escola sem precisar ir para a cidade, e às vezes é muito difícil ter transporte para Catu, e quando tem é caro.” Janaina. “Ter uma biblioteca comunitária é muito importante porque as pessoas se deslocam de sua comunidade para ir até a cidade, e temos dificuldade de fazer isso.” Valdeci. “Eu gosto muito de ler e quero muito ser voluntária da biblioteca.” Nivalda.

sexta-feira, setembro 23, 2011

90 Anos do nosso Mestre e Amigo Paulo Freire

"O Educador democrático não pode negar-se o dever de, na sua prática docente, reforçar a capacidade crítica do educando, sua curiosidade, sua insubmissão." Paulo Freire, Pedagogia do Oprimido.

quinta-feira, julho 14, 2011

Ferramentas para trabalhar com Educação Ambiental/Consumo Sustentável

"Se a educação sozinha não pode transformar a sociedade, tampouco sem ela a sociedade muda."
Paulo Freire

1. Tema

Sustentabilidade: Consumo Sustentável, Biodiversidade e Controle Social.

2. Objetivo

Visualizar uma cadeia produtiva de diferentes produtos, apontando as demandas de uma sociedade cada vez mais consumista, bem como analisar a relação entre cidadania e consumo para formar cidadãs e cidadãos cientes de suas responsabilidades perante o meio social e ambiental no qual eles estão inseridos.

3. Objetivo Específico

- Entender o contexto histórico da formação da sociedade de consumo;
- Visualizar diferentes cadeias produtivas, desde o preparo da retirada da matéria-prima até o descarte final do produto;
- Buscar o contexto histórico-econômico do surgimento da hegemonia do sistema capitalista;
- Analisar o conceito de Desenvolvimento Sustentável e suas implicações para a sociedade;
- Discutir que modelo econômico de desenvolvimento nós queremos.
- Entender como o desenfreado consumo doméstico e industrial impacta na biodiversidade do Planeta;

4. Procedimento

1º Momento:

•Dinâmica: Leitura inicial do texto “O Mundo que criamos...” de Carlos Rodrigues Brandão. Objetivo: Discutir a relação entre seres-humanos, cultura e natureza.

O mundo que criamos...

“Meu corpo é a natureza de que eu sou parte transformada no ser de uma pessoa: eu. Refletida nas águas calmas e límpidas de um pequeno lago, a natureza devolve a ela a sua imagem. Ela vê através de meu corpo e cabe a nós – ela e eu – sabermos distinguir o que faz inteiramente parte de alguma dimensão de seu domínio de existência no planeta Terra e no Universo, e o que já é, também, parte e partilha de uma dimensão da Vida. Pois quando os meus olhos me vêem refletido nas águas claras do lago, é ainda o mundo natural quem se revela a si mesmo através de um de seus seres. Mas nem tanto, porque, ser humano, não consigo, como os outros animais com quem comparto o mistério de ‘estar vivo’ aqui e agora, ver sem perceber, e perceber sem pensar. E a idéia que de mim me faço ao me ver refletido já pertence a um outro domínio do Mundo que comporto com a pequenina ave que porventura vem ao mesmo lago, e do galho de uma árvore se olha e ao lago, como eu. Como eu? Entrevistos por um instante pelos nossos olhos, nossos corpos pertencem ao plano natural dos sinais. São o que são, como a água, ou são o que de si mesmos dão a ver a quem os vê. Mas o que eu penso do que vejo salta do sinal ao signo e dele ao símbolo. E exige de mim o que dispensa na ave, requer palavras, códigos complexos de sentidos e de significados, uma linguagem articulada por meio da qual em mim e para os meus outros a sensação e o sentimento aspiram ganhar sentido. E até mais do que isto. Eu me vejo como um ser da natureza, mas me penso como um sujeito da cultura. Como alguém que pertence também ao mundo que a espécie humana criou para aprender a viver”. (BRANDÃO, 2002 apud CARVALHO, 2006)

REFERÊNCIA

CARVALHO, I. C. de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

2º Momento:

•Documentário: “A Incrível História de um Tomate”. O premiado curta-metragem Ilha das Flores (35 mm, 12 mim, cor, 1989), com roteiro de Jorge Furtado e produção da Casa de Cinema [...]. Em tom inteligente, crítico e bem-humorado, o curta mostra toda uma cadeia de relações sociais e ambientais que começa com um tomate sendo comprado no supermercado. A trajetória desse tomate envolve seu plantio, comercialização, utilização e descarte no lixo, onde outra cadeia se inicia, até que ele chegue ao seu verdadeiro final, entre animais, lixo, mulheres e crianças. Então ficam claras as diferenças existentes entre tomates, porcos e seres humanos.
•Discutir o documentário para fazer as bases dos seguintes trabalhos:
•Escolha dos grupos (máximo de 4)
•Serão oferecidos vários tipos de produtos cuja cadeia produtiva varia de acordo o manejo de produção. Inicialmente os produtos serão: frutas e verduras “supostamente” orgânicos, pacote de salgadinho de milho, uma caixa de bis ou outro tipo de chocolate, etc. Feito isso, cada grupo terá que montar uma linha de produção desde seu primeiro processo até o descarte do produto (embalagem, etc.) ou/e reciclagem e o seu retorno para a cadeia produtiva.
• Nessa atividade além de rever o processo de elaboração de um produto, os participantes terão que diagnosticar os problemas, os sonhos de uma produção sustentável, bem como as dificuldades de se chegar a esse ideal.
•Ao longo da montagem da linha, os grupos irão discutir a construção dos conceitos de Consumo Sustentável e Sustentabilidade, os relacionado com nossas práticas e comportamentos cotidianos. Fim do trabalho os participantes irão propor idéias de como formar um sujeito com sensibilidade ecológica/socioambiental. Sugestão de criar um plano de ação para o despertar dessa sensibilidade na comunidade escolar.
•Ao longo da exposição dos grupos várias reflexões sobre o tema principal serão feitas e analisadas.

3º Momento:

•Dinâmica de Encerramento de Cunho Avaliativo. Com a linha da cadeia produtiva montada os participantes irão escolher qualquer ponto do processo feito ainda pela produção tradicional e propor uma alternativa (faltar uma frase, palavra, gesto, poesia, música, etc) de não agressão ao meio físico e social.

5. Recursos

Papel metro
Produtos de diferentes ramos produtivos. Ex. uma caixa de longa vida, um tomate, uma cenoura, uma garrafa pet, uma sacola plástica, um celular, etc.
Pilot
Ofício ou A4


Socialize o resultado de sua oficina...

Oficina de Educação Ambiental na Comunidade de Dois Riachos em Catu-BA


Esse trabalho consiste em sensibilizar as comunidades rurais para as questões socioambientais, valorizando a cultura, a agricultura de subsistência e familiar, a vegetação nativa e outras formas de manifestações sociais. A comunidade de Dois Riachos faz parte do município de Catu-BA. Ela está inserida no bioma Mata Atlântica e é cortada pelo Rio Catu. Ao longo de sua área existem vários empreendimentos da Petrobras. Linhas, poços, satélite, etc. Por conta disso ela é considerada uma área de vulnerabilidade socioambiental. Para amenizar esses impactos estamos juntos com a comunidade realizando oficinas, cursos, seminários, teatros, gincanas e várias outras atividades como forma de emponderar a população para exercer a sua cidadania e assegurar a participação social de forma democrática e popular.